O ano de 2020 foi um período em que as marcas tiveram de agilmente repensar nas suas estratégias de comunicação. Segundo o relatório Deloitte Global Marketing Trends 2021, foi na área do marketing digital que essa mudança teve maior preponderância. Sabe-se que cerca de 67% das empresas, a nível global, alavancaram a sua presença nas redes sociais e 57% dos mesmos melhoraram as suas plataformas digitais, de modo a responder melhor às necessidades do consumidor.

Numa jornada pela agilidade comunicacional das empresas, constatou-se assim que, tanto as organizações têm de ter uma visão unificada sobre o seu mercado de consumo, e adaptar-se consoante isso, como as próprias necessidades do consumidor mudam em concomitância com o período social, cultural e económico em que vive. Um marketeer tem de assim olhar para o marketing digital como uma ferramenta agregada a outras estratégias do seu toolkit. E porquê?

Analisemos o seguinte: no início de 2020, quando a pandemia do COVID-19 despoletou, 66% dos consumidores admitiu ter ganho maior apreço sobre uma presença digital bem conceptualizada, por parte de uma marca, uma vez que influenciaria a sua experiência de consumo e potencial conversão. Em contraponto, segundo o Consumer Trends & OOH Q4 2020, quando as restrições sobre o confinamento começaram a ser amenizadas, os consumidores que vivem em metrópoles admitiram ter ganho um sentimento renovado de estima sobre aquilo que os envolve nos exterior, sejam placas de rua, murais, fachadas de lojas, comunicação em outdoors, como a própria natureza em si.

De modo a aumentar o consumo da população, as marcas têm de garantir propostas de comunicação das suas marcas com recurso a métodos variados de promoção dos seus produtos ou serviços. Com base numa amostra populacional global, a Out of Home Advertising Association of America, o estudo comprovou que 40% dos consumidores está a passar mais tempo no exterior, sendo que 65% tenta sair de casa o máximo possível, seja a pé ou de carro. Uma das causas é a exaustão que a população apresenta, por estar tanto tempo em frente aos ecrãs.

Atualmente, consumidores na faixa etária entre os 18 e os 54 anos de idade estão a reparar mais na comunicação OOH, sejam outdoors, mupis, posters, ecrãs digitais (DOOH). Este é um momento em que o exterior é prioridade, sendo que aqui se encontra o reverso da medalha, ou seja, o outro local de oportunidade para enfatizar produtos e serviços, para além das estratégias já aplicadas em marketing digital de uma marca.
Segundo a WARC, o OOH será o segundo meio de comunicação com um crescimento mais rápido em 2021, com investimentos em publicidade a aumentar mais de 20%. Numa forma de responder rapidamente às rotinas dos consumidores, de modo a que as marcas possam chegar às massas e impactá-las, existem algumas alternativas complementares ao marketing digital.

O que há para lá do marketing digital? Um olhar alargado sobre o branding

Comunicação OOH

Numa fase em que o marketing digital está a cansar, diariamente, o olhar do consumidor, sabe-se que estes estão a prestar mais atenção à comunicação OOH, do que aos anúncios digitais. Billboards, mupis em estações de transporte público e abrigos de autocarros, são dos mobiliários urbanos que mais de 50% da população considera relevante e útil para se informarem sobre certas marcas e, futuramente, optar por um produto, em detrimento de outro, no momento da sua experiência de consumo.

A comunicação OOH é um excelente complemento do marketing digital, ao ponto de poder funcionar como uma ponte entre o exterior-digital. Mupis, outdoors, abrigos de autocarros, empenas, e muitos outros, são formas de alicerçar a comunicação de uma marca. Um tipo de publicidade non-stop, que ajuda a criar e a reforçar posicionamentos de mercado.

DOOH

A pandemia veio revelar, mais do que nunca, a importância de uma estratégia de branding, fora do marketing digital, que seja igualmente tecnológica e interativa. Campanhas com recurso ao DOOH (Digital Out-of-Home) apresentam-se como mais flexíveis, rápidas, dinâmicas e 100% mutáveis.

Hoje em dia, compreendemos como os contextos sociais podem mudar de um dia para o outro, assim com o recurso a uma ferramenta de publicidade DOOH, as marcas podem rapidamente adaptar-se e dar uma resposta eficaz às necessidades do consumidor. Ao nível da sua eficiência, sabe-se que a comunicação DOOH, oferece mais 2.5 vezes de codificação de memória e intensidade emocional, durante a perceção da informação, por parte do consumidor.

Tal como o marketing digital, o DOOH é uma resposta à mudança dos hábitos de consumo atuais, bem como um símbolo da necessidade das marcas de se posicionarem no mercado, com base no seu nicho de consumo. Sabe-se que, até à data, já ocorreu um aumento a 243% de campanhas DOOH, em comparação com 2019.
 

Integração de DOOH + Mobile

A união de campanhas, entre o marketing digital e o OOH, está a ocorrer cada vez mais. A necessidade de voltar a comunicar no exterior aliada ao avanço tecnológico, que permite criar plataformas de compra automatizadas, integrar dados do público-alvo e otimizar publicidades por segmento de localização, torna esta parceria comunicativa imprescindível para uma marca (tanto já posicionada no mercado, como ainda à descoberta do seu nicho de consumo).

Este é um momento crucial para complementos como estes, que aliam o marketing digital à crescente deslocação diária dos consumidores. Estar onde as massas estão, adequando as campanhas à experiência de consumo atual, que é cada vez mais mobile.

A JCDecaux alia-se ao marketing digital das marcas

O Grupo JCDecaux Portugal adapta-se e responde às necessidades atuais dos consumidores. Presentes em mais de 80 países e em mais de 4.000 cidades, o nosso mobiliário urbano é funcional, sustentável, interativo e amplamente customizável. Criamos brand awareness e interação, ao ligar as necessidades de uma marca, ao nível do marketing digital, com a necessidade de uma forte presença comunicativa no exterior: o local onde as grandes massas de consumo voltam a estar.

Contacte-nos ainda hoje, ajudamo-lo a informar quem mais necessita saber de si.